A reforma do Código de Processo Civil no final da legislatura

  • Carla Góis Coelho
  • 30 Setembro 2019

Necessário é formar juízes e funcionários judiciais e, sobretudo, dotar as salas de audiência dos meios necessários para que o processo digital possa ser trabalhado por todos de forma funcional.

Na reta final de legislatura foram aprovadas alterações importantes ao Código de Processo Civil.

Na Lei n.º 117/2019, de 13 de setembro, destaca-se a alteração em matéria de recurso de revisão. A Lei da Responsabilidade Civil Extracontratual do Estado faz depender a responsabilidade do Estado por erro judiciário da prévia revogação da decisão errada, o que, se interpretado sem mais, poderá implicar a irresponsabilidade do Estado quando o erro foi cometido em última instância. A jurisprudência dispensa este requisito quando o erro consista na violação de direito da União Europeia, mas tem divergido quando tem por base uma violação de direito nacional. A alteração agora aprovada permite a interposição de recurso de revisão com vista à revogação da decisão errada.

Contudo, sem a alteração simultânea da Lei da Responsabilidade do Estado, poderá questionar-se se a interposição de tal recurso (e a sua decisão favorável) é imprescindível, ou apenas uma forma de facilitar a responsabilização do Estado, e também qual o efetivo conteúdo útil desta possibilidade de revogação considerando que a mesma será suscitada perante o mesmo Tribunal que incorreu no suposto erro judiciário, cabendo necessariamente a este decidir o reconhecimento e ressarcimento de tal erro. Embora visando a aplicação plena do princípio de responsabilidade do Estado por erro judiciário, esta alteração corre, assim, o risco de tornar ainda mais tortuoso o ressarcimento de um erro judiciário.

Já o Decreto-Lei n.º 97/2019, de 26 de julho, visa consolidar a tramitação eletrónica dos processos judiciais e entrou em vigor no passado dia 16 de setembro, não obstante a promessa (no seu artigo 5.º) de publicação, em data prévia, da regulamentação necessária à sua execução.

Mas não basta conformar a letra da lei para alcançar em toda a linha o intento deste diploma. Necessário é formar juízes e funcionários judiciais e, sobretudo, dotar as salas de audiência dos meios necessários para que o processo digital possa ser trabalhado por todos de forma funcional, permitindo por exemplo a confrontação de testemunhas com documentos através do computador do Tribunal ou mesmo – melhor – através da projeção do documento.

Este diploma prevê ainda a possibilidade de as testemunhas serem ouvidas por videoconferência a partir das instalações de uma autarquia local ou de um serviço público da sua área de residência. É uma medida importante para aproximar a justiça dos cidadãos (evitando que uma testemunha tenha que deslocar-se para fora do seu município se neste não estiver instalado um Tribunal). Implica, contudo, que os espaços públicos em causa estejam dotados da tecnologia necessária para o efeito e implica igualmente conciliar a agenda do juiz e dos advogados com a agenda do espaço público e de um seu funcionário, que deverá acompanhar in loco a inquirição, o que poderá introduzir um condicionalismo extra, com custos de celeridade (que a inquirição por skype facilmente ultrapassa). Foi, na minha opinião, uma oportunidade perdida para regulamentar o skype enquanto forma de produção de prova, sendo este um meio que tão bem tem sido acolhido por alguns juízes, com ganho relevante de celeridade e eficiência, conquanto a parte que arrole a testemunha tenha contacto com a mesma e disponibilize os meios técnicos necessários.

É também fulcral prever, para os processos de natureza urgente, uma distribuição extraordinária (com sancionamento grave das partes que injustificadamente a acionem), que possibilite a adjudicação dos mesmos a um juiz e a sua decisão em tempo útil: não raras vezes uma providência cautelar, mesmo que instaurada uma hora depois do facto que a justifica, é frustrada pela distribuição bidiária que à data existe.

Notas práticas que talvez possam ser úteis para, na próxima legislatura, progredir na obtenção de uma justiça eficiente e célere.

*Carla Góis Coelho é associada coordenadora na área de Contencioso da PLMJ.

  • Carla Góis Coelho
  • Associada coordenadora da PLMJ

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

A reforma do Código de Processo Civil no final da legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião