Chinês C919 começa a voar esta semana

O primeiro avião de passageiros chinês enfrenta a derradeira prova esta sexta-feira: o voo inaugural. O C919 vai concorrer diretamente com o Boeing 737 e o Airbus A320.

O C919 tem o voo inaugural agendado para esta sexta-feia, 5 de maio.Comac/DR

O primeiro avião de passageiros de tamanho médio fabricado na China começa a voar já esta sexta-feira. O C919, desenvolvido pela empresa chinesa Comac, tem a descolagem inaugural agendada para 5 de maio. De acordo com o jornal espanhol El Economista, tem potencial para se intrometer num mercado amplamente liderado por duas grandes empresas: a norte-americana Boeing e a francesa Airbus.

Esta aeronave pode transportar entre 158 e 174 passageiros e tem autonomia até 5.555 quilómetros. Vai competir mais diretamente com os muito comuns Boeing 737 e Airbus A320 e concluiu recentemente a quarta ronda de testes. O próximo passo é o voo desta sexta-feira, indica o jornal, que será operado pela companhia aérea chinesa China Eastern.

O El Economista recorda também que os prazos de fabrico desta aeronave têm vindo a ser adiados consecutivamente, com o primeiro voo inicialmente para uma data ainda em 2016. Mas desde 2015, altura em que foi apresentado o primeiro protótipo, que os prazos têm sido sucessivamente ultrapassados pela Comac, alegadamente por atrasos no fabrico.

O primeiro voo do C919 surge poucas semanas depois de a China apresentar o primeiro porta-aviões construído inteiramente no país. O Shandong foi apresentado ao público no final de abril, embora só fique inteiramente operacional daqui a três anos. Ainda assim, é um marco importante para a China, tornando-a no no sétimo país a consegui fabricar um porta-aviões internamente.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chinês C919 começa a voar esta semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião