Rendas passam fatura de 3% à EDP. Lisboa volta às perdas

  • Juliana Nogueira Santos
  • 2 Outubro 2017

Depois de concluir um trimestre de fortes ganhos, o PSI-20 cedeu à entrada no mês de outubro. A pressão veio da EDP, que caiu cerca de 3%.

Com a ERSE a querer cortar as rendas da EDP, as ações da elétrica terminaram a primeira sessão do mês em curto-circuito. A elétrica EDP 1,99% chegou a perder mais 3%, num dia em que apenas sete cotadas terminaram pintadas de verde. O PSI-20 tropeça assim após concluir um ciclo de ganhos trimestrais como não se registava há 19 anos.

De acordo com a proposta que a reguladora enviou na última sexta-feira ao Governo, o ajustamento do valor dos CMEC nos próximos dez anos implica um corte de 167,1 milhões de euros por ano face ao montante desembolsado entre 2007 e 2017. Esta ação levou os títulos da empresa liderada por António Mexia a encerrar a sessão com uma queda de 2,79% para os 3,10 euros.

No mesmo setor, a EDP Renováveis caiu 0,42% para 7,17 euros, a Galp Energia perdeu 0,83% para 14,87 euros e a REN desvalorizou 0,47% para 2,74 euros. No retalho, a tendência mantém-se, com a Jerónimo Martins a deslizar 0,06% para 16,68 euros e a Sonae a cair 0,10% para 1,02 euros. Todos estes desempenhos negativos levaram o PSI-20 a perder 0,19% para 5.399,04 pontos.

Foram apenas sete as cotadas que fecharam a sessão acima da linha de água, com a operadora Nos a avançar 1,66% para 5,33 euros e a Pharol a ganhar 5,88% para 39,6 cêntimos, renovando assim máximos de março deste ano. Destaque também para o BCP, que valorizou 0,29% para 24,6 cêntimos.

Rendas passam fatura de 3% à EDP

As restantes praças europeias terminaram a primeira sessão do mês em terreno misto, com o espanhol IBEX-35 a ser penalizado pela tensão política em Barcelona. O principal índice bolsista do país vizinho caiu 1,21%, com o território catalão a exigir a independência. À exceção de Espanha, dia foi de ganhos, com o alemão DAX a avançar 0,58%, o italiano CAC-40 a ganhar 0,39% e o agregador Stoxx 600 a valorizar 0,51%.

(Notícia atualizada às 17h00 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rendas passam fatura de 3% à EDP. Lisboa volta às perdas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião