Cabify introduz suplemento por alta procura para premiar motoristas

Empresa lança tarifas dinâmicas como incentivo para assegurar disponibilidade constante em zonas e horas de maior procura e acaba com o fator de diferenciação face à concorrência.

A Cabify lança esta quarta-feira um sistema de tarifas dinâmicas, um suplemento variável na tarifa habitual, de maneira a servir de incentivo para assegurar a disponibilidade de veículos em zonas e horas de maior procura.

Assim, a partir de hoje, a plataforma espanhola que liga motoristas e utilizadores ativa, nos momentos de maior procura, um suplemento adicional proporcional ao valor da viagem pedida pelo cliente, calculado por quilómetro e indicado ao utilizador no momento do pedido da viagem. A medida, explica a empresa em comunicado, é uma forma “de incentivar os motoristas da Cabify a conectarem-se à aplicação nestes períodos e, assim, assegurar disponibilidade de frota e menores tempos de espera”.

“O suplemento por alta procura da Cabify estará apenas ativo durante estes momentos de maior procura e apresenta um limite definido”, adianta.

“Com a introdução deste suplemento, poderemos responder melhor às exigências de imediaticidade do utilizador e, ao mesmo tempo, compensar os nossos parceiros por estarem ligados nos momentos em que mais são precisos. Além disso, ao adicionarmos um suplemento ao valor pago pelo cliente, garantimos que conseguimos continuar a praticar preços com base apenas na distância percorrida (por quilómetro), sem interferência da variável tempo, acrescenta o responsável”, esclarece Nuno Santos, diretor-geral da Cabify em Portugal. No país, a empresa opera nas cidades de Lisboa e do Porto.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cabify introduz suplemento por alta procura para premiar motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião