Randstad instala centro em Portugal e procura programadores

A multinacional de recursos humanos Randstad está à procura de programadores e web developers para a Digital Factory que instalou em Portugal. O número de vagas é ilimitado.

A empresa de recursos humanos Randstad inaugurou este ano uma digital factory em território nacional, estando atualmente à procura de novos talentos para se juntarem aos mais de 400 colaboradores existentes em Portugal. Se é programador ou web developer, então este artigo é para si.

A multinacional de recrutamento e trabalho temporário está atualmente presente em 39 países. Recentemente, Portugal foi o destino escolhido pela empresa para a implementação de uma digital factory, que atua na área de produção tecnológica responsável por soluções digitais. A fábrica arrancou este ano e a equipa portuguesa está responsável por mais de 50 aplicações em produção para a Suíça, Itália, Portugal, Holanda, Bélgica e Hong Kong. No entanto, os 420 colaboradores portugueses da Randstad e as mais de 30 mil pessoas a trabalharem diretamente com os clientes parecem não ser suficientes para a empresa, que está à procura de novos talentos.

Nesta fase procuramos programadores e web developers. Temos também a possibilidade de reconverter profissionais de base tecnológica/digital em fullstack developers, para se juntarem à nossa equipa, já que temos essa experiência com o nosso programa IT Lab com resultados muito positivos”, explica Gonçalo Vilhena, CIO da Randstad Portugal.

Para a fábrica portuguesa não há um número limitado de vagas e a equipa, que conta atualmente com 80 trabalhadores, desenvolve várias iniciativas internas como hackathonsmaratonas de programação, e dias de criatividade. “A possibilidade de trabalhar com colegas de todo o mundo e de responder às especificidades de cada um dos países é o mais apelativo para a nossa equipa. Nesta fábrica respira-se digital o que permite o crescimento pessoal e profissional dos nossos talentos”, acrescenta Gonçalo Vilhena.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Randstad instala centro em Portugal e procura programadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião