Altice compra TVI? “Vejo com dificuldade que o negócio possa seguir para a frente”, diz o presidente da Vodafone

Face às circunstâncias, a Vodafone vê "com dificuldade" que a concorrente Altice consiga mesmo comprar a Media Capital, dona da TVI. "A nossa posição é a de que o negócio já acabou", disse Mário Vaz.

O líder da Vodafone em Portugal considera que o negócio da compra da Media Capital pela concorrente Altice já não se vai realizar. Em declarações aos jornalistas esta quinta-feira, Mário Vaz disse ver “com dificuldade” que a compra do maior grupo de media português pelo grupo que detém a Meo “possa seguir para a frente”, depois de o regulador da concorrência ter chumbado a lista dos compromissos assumidos pela Altice e esta ter rejeitado a hipótese de apresentar novas garantias.

Face aos receios de que a incorporação da dona da TVI pela Altice possam distorcer a concorrência nos setores das telecomunicações e media, a empresa viu-se obrigada a apresentar uma série de garantias para mitigar esses riscos. No entanto, a Autoridade da Concorrência (AdC) chumbou a lista de garantias, considerando-os insuficientes. Na sequência disto, a Altice mostrou inflexibilidade para apresentar novas garantias, o que põe em causa a operação, avaliada em 440 milhões de euros.

“Aparentemente a esta data, com os dados conhecidos e com o conhecimento do processo, se a Altice mantiver a sua posição, vejo com dificuldade que o negócio possa seguir para a frente. Mas a questão tem de ser colocada a quem está a fazer o negócio que, pelos vistos, também terá perdido alguma vontade quando disse que não teria abertura para novos remédios”, disse o presidente executivo da Vodafone Portugal, Mário Vaz, em declarações aos jornalistas esta quarta-feira.

“A nossa posição é a de que o negócio já acabou. Já acabou há muito tempo”

A Vodafone tem em curso duas ações na Justiça para tentar travar a compra. Questionado acerca destes processos, Mário Vaz indicou que estão a decorrer dentro da normalidade e dos “prazos judiciais”. Mas ainda não terá havido qualquer desenvolvimento de relevo. Uma dessas ações é uma providência cautelar para suspender o efeito da decisão da AdC caso esta aprove o negócio da compra da Media Capital.

O argumento da Vodafone é o de que o parecer da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que criticou o negócio mas não conseguiu fechar um sentido de decisão por falta de unanimidade na votação, foi vinculativo e chumbou, de forma efetiva, a operação. Este foi um trâmite anterior à avaliação que está agora a ser feita pela AdC, com a Vodafone a considerar que, tendo em conta o parecer da ERC, o negócio da Altice nem sequer deveria ter seguido de novo para avaliação da AdC.

Foi isso que Mário Vaz reiterou esta quinta-feira. “A nossa posição é a de que o negócio já acabou. Já acabou há muito tempo. Acabou com a decisão da ERC. Essa é a nossa posição e por isso é que depusemos a ação principal e a providência cautelar, porque essa é a nossa visão: já acabou porque a decisão da ERC é mandatória e foi vinculativa. Essa é a nossa leitura. Mas como é a nossa leitura, isso não quer dizer que não haja outras leituras. A AdC tem um entendimento diferente e continua o seu processo”, afirmou o gestor.

Estas declarações foram feitas à margem da apresentação do 5G Hub na sede da Vodafone. A empresa apresentou uma parceria com a Ericsson para acelerar o desenvolvimento e implementação da quinta geração de rede móvel.

Anacom facilitou o acesso às condutas e postes da Meo. Vodafone satisfeita com a decisão

O ECO questionou também Mário Vaz acerca da recente decisão da Anacom, que aprovou um pacote de medidas para facilitar o acesso das operadoras à rede de condutas e postes da Meo, infraestruturas necessárias para garantir a cobertura por parte das operadoras e que vem do tempo em que a PT era uma empresa pública.

Frisando ainda não conhecer a decisão em detalhe, Mário Vaz disse que, “pelas linhas orientadoras”, parece “estar no bom sentido”. “É algo que, há muito tempo, nós nos queixamos. Do ponto de vista dos postes, a regulação existente era uma regulação que não permitia competir de forma justa, transparente e equilibrada no mercado”, indicou.

“Para se ter a noção, cada vez que um cliente nosso precisava de uma extensão associada a um poste onde nós já estávamos com a fibra (mas é a partir do poste que sai a extensão para o cliente) nós tínhamos de fazer marcação prévia [junto da Meo]. O nosso concorrente sabia com antecedência e determinava o momento em que nós iríamos instalar no cliente, o que, naturalmente, lhe dava mais do que tempo suficiente para fazer uma atuação comercial que alterasse a intenção de mudança do cliente”, garantiu Mário Vaz.

E concluiu: “Era algo que estava claramente mal, que estávamos até em litígio com o operador incumbente [Meo] e que há muito pedíamos uma atuação da Anacom nesse sentido. No caso das condutas, também, facilitar é bom.”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice compra TVI? “Vejo com dificuldade que o negócio possa seguir para a frente”, diz o presidente da Vodafone

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião