Vestager: “Podemos ter nova tecnologia, mas não temos novos valores”

A comissária europeia Margrethe Vestager subiu ao palco do Web Summit para alertar a comunidade tecnológica de que, apesar da rápida mudança no setor, os valores não mudam. São os mesmos.

Margrethe Vestager no palco principal do Web Summit de 2019.David Fitzgerald/Web Summit via Sportsfile

Margrethe Vestager alertou no Web Summit que, apesar de existirem novas tecnologias, os valores são os mesmos. Numa entrevista no palco da Altice Arena, a comissária europeia da Concorrência — e futura vice-presidente executiva da Comissão Europeia — criticou as grandes empresas de tecnologia norte-americanas, mas recusou que a solução para os problemas que se têm colocado no setor seja a de “partir” estas empresas.

“Podemos ter nova tecnologia, mas não temos novos valores”, apontou. E acrescentou: no mundo real, “sabemos bem o que aceitamos e o que não aceitamos”. “Não percebo porque é que não é assim no mundo digital”, apontou, ao mesmo tempo que pediu “ação” por parte de redes sociais como o Facebook e o Twitter para combater flagelos como a desinformação e o discurso de ódio, além do facto de algumas das big tech serem, basicamente, monopólios.

Questionada sobre se a solução poderá passar por “partir” estas empresas, forçando-as a separar unidades de negócio, Vestager disse que esse mecanismo só será usado em “último recurso”: “De um ponto de vista concorrencial, só se partir a companhia fosse a única forma de resolver o problema”, garantiu, dizendo que, neste momento, o problema “não é grande o suficiente” para justificar essa medida.

Numa altura em que algumas vozes defendem a separação do Facebook, WhatsApp e Instagram, Vestager avisou: “Haveria o risco de deixarmos de ter um problema para termos vários problemas”. De qualquer forma, a Comissão Europeia, atual e futura, manterá um olhar atento sobre a atividade destas empresas. “Senão, corremos o risco de existirem tantas empresas interessantes, mas sem hipóteses de competir”, justificou.

Num discurso amplamente aplaudido pela plateia do Web Summit, Margrethe Vestager afirmou que as grandes plataformas de tecnologia estão mais ambiciosas e que “estamos a chegar a uma fase em que a concorrência e as autoridades já só conseguem fazer parte do seu trabalho”. Por isso, Vestager defendeu a criação de uma framework para a atuação das gigantes tecnológicas: “Temos de definir linhas orientadoras para lhes dizermos ‘é assim que nos devem servir'”, afirmou.

Uma frase que liga com outra das ideias deixadas no Web Summit pela comissária europeia: “A minha primeira prioridade serão sempre os humanos. A tecnologia tem de nos servir. O desafio que temos é criar uma comunidade tecnológica muito mais diversa e que reflita o mundo em que queremos viver”, apontou.

Apelidada de tax lady pelo presidente dos EUA, Donald Trump, Vestager tem sido o rosto europeu da luta regulatória contra as gigantes tecnológicas, acusadas de serem pouco responsabilizadas e de gerarem lucros à custa dos dados dos utilizadores e de baixos impostos pagos nos países onde operam. Sobre isto, Vestager apontou que vê as autoridades norte-americanas mais interessadas em olharem para estes problemas ultimamente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vestager: “Podemos ter nova tecnologia, mas não temos novos valores”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião