Uma velha anedota

Esta crónica é sobre um casamento que deu para o torto e sobre as tortas que sobraram.

Um português, um inglês e um francês vieram à Índia (lembram-se desta anedota?). E apesar disto, nessa altura, já ter uns bons milhões de indianos, marajás e tudo mais, os ocidentais, versadíssimos na cena cultural e religiosa destes povos ancestrais, acharam que ser donos disto tudo não era estranho demais.

Eu sei, não tem lá grande piada.

Obviamente que a coisa não podia dar bom resultado pois, como qualquer mulher sabe, se já é difícil governar a própria casa, o que fará a dos outros. Mas nessa altura, as mulheres também não tinham grande voto na matéria…

Então os portugueses ficaram com Goa, Damão e Diu, os ingleses com tudo o que estava à mão e os franceses com um punhado de territórios a que vieram a chamar de Pondicherry.

Esta crónica é sobre um casamento que deu para o torto e sobre as tortas que sobraram. A longo prazo, os bolos batem as balas e as baguetes baixam bandeiras. E no fim, a única conquista verdadeiramente eficaz é a gastronómica. À mesa deixamo-nos conquistar com prazer.

Ora, Pondicherry é uma belíssima cidade à beira mar, com o típico urbanismo racista que fez as delícias coloniais dos últimos 500 anos. Há literalmente uma “White Town” de belíssimos quarteirões parisienses separada da “Indian Town”, por um canal de água e séculos de submissão. Quando o “pai” francês saiu de casa, foi a mãe Índia que ficou com os tarecos arquitetónicos, pela ligeira dificuldade em movimentá-los. Isso e mais os bolos, que entretanto já tinha aprendido a fazer.

Num país de casamentos arranjados, este só foi conveniente para um dos lados mas como boa divorciada, Pondicherry mudou de nome (Puducherry) e decidiu apostar num segundo casamento, desta vez, místico e bastante conveniente para todos.

Entra em cena o casal mais famoso do quartier: o guru, filósofo, yogi, freedom fighter Sri Aurobindo e uma francesa chamada Blanche Rachel.

Quando veio viver para Pondicherry com o segundo marido, mal sonhava Blanche que ia tornar-se numa das mulheres mais venerada da Índia. A primeira coisa a ir à vida foi o nome Blanche (até porque de brancos já estava o país farto) e foi com o apelido de solteira que Mirra Alfassa se tornou conhecida. Mal imaginava Mirra que, apesar de nunca chegar a ter filhos, ia ser elevada a Mãe (sim, aqui é o título mais elevado que há) e se ia tornar conselheira de figuras como o Dalai Lama ou Indira Gandhi!

Mas Blanche sonhava e imaginava muita coisa e, na Índia, sem ter de lutar ou conquistar ninguém, conseguiu fundar o Ashram de Sri Aurobindo em honra do seu mestre (atracção principal de Puducherry) e criar do zero uma cidade inteira: Auroville.

Ora, para quem nunca ouviu falar de Auroville, só tem que pensar no oposto do urbanismo colonial: uma cidade concêntrica que cresce à volta do incrível Matrimandir (um templo forrado a ouro para meditação pessoal). Uma cidade universal, onde vivem cerca de 2500 pessoas de 50 nacionalidades diferentes. Uma comunidade igualitária que pretende a paz, a cooperação e a união humana. Sim, uma utopia com 50 anos de vida, patrocinada pelo Governo.

Se uma mulher francesa conseguiu fazer mais por Puducherry que 280 anos de ocupação francesa só o tempo confirmará. A verdade é que hoje em dia, o Ashram e Auroville trazem mais turismo à cidade que qualquer sobremesa.

Mas se não estiverem interessados nos milagres do auto-conhecimento ou num futuro mais harmonioso, não desesperem. Há cafés boémios, hotéis glamorosos e restaurantes chiques suficientes para sermos mundanamente felizes para todo o sempre, enquanto perdermos tempo a imaginar como estaria agora o português, o inglês e o francês se tivessem sido colonizados pelos indianos. Isso sim, tinha muita piada!

Crónicas indianas são impressões, detalhes e apontamentos de viagem da autora e viajante Mami Pereira. Durante quatro meses, o ECO publica as melhores histórias da viagem à Índia. Pode ir acompanhando todos os passos aqui e aqui.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Uma velha anedota

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião