Credores da Oi têm dez dias para reclamar

Já começou o prazo de dez dias úteis para impugnação da lista de credores da Oi, bem como o de 30 dias úteis para apresentação de objeções ao plano de recuperação judicial da empresa.

O prazo para impugnação da lista de credores da Oi já começou. Numa nota enviada aos mercados esta segunda-feira, a operadora brasileira informa que a partir dessa data começa o prazo legal de dez dias úteis para a apresentação de “impugnações à relação de credores” da empresa ao juízo da recuperação judicial.

Como o ECO noticiou há duas semanas, a lista de credores já foi tornada pública pelo administrador judicial. Trata-se de um vasto documento de 356 páginas sob a forma de tabelas em letras miúdas. Entre as linhas inscreve-se um conjunto bastante alargado de particulares, empresas e instituições, perante o qual a Oi tem uma dívida que alcança os 17 mil milhões de euros.

Recorde-se também que a assembleia-geral de credores da Oi está apontada para setembro. Na última semana, Luís Palha da Silva, o presidente executivo da Pharol PHR 0,00% , acionista maioritária da Oi, disse ao ECO ser “um prazo que obriga a uma intervenção muito apertada de toda a gente”. Mas acrescentou: “Continua-nos a parecer possível”.

Nessa altura, Palha da Silva recordou também: “Esta assembleia-geral de credores tem de contar com os processos que já estão em curso, nomeadamente de definição de uma lista mesmo final de credores. Há também o período que está a contar neste momento de reclamações por parte daqueles que eventualmente se sintam prejudicados pela lista final de credores.” É esse que foi agora definido.

Decorre também, desde esta segunda-feira, o prazo de 30 dias úteis “para o oferecimento de objeções ao plano de recuperação judicial”. Recorde-se que a empresa está ao abrigo desse processo desde meados do ano passado, com vista a evitar a falência. Recentemente, em março, a empresa aprovou ajustes ao plano de recuperação, como a conversão de dívida em ações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores da Oi têm dez dias para reclamar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião