ERSE passa fatura de 650 milhões às ações da EDP

EDP continua sob pressão dos investidores depois de o regulador de energia ter anunciado que pretende cortar as rendas à elétrica nacional. Ações perdem mais de 5% desde o início do mês.

A EDP já perdeu 650 milhões de euros na bolsa desde que a ERSE anunciou que pretende cortar as rendas atribuídas à elétrica nacional liderada por António Mexia.

As ações da cotada voltaram a ceder esta segunda-feira: caíram 0,3% para 3,01 euros. Acumula já cinco sessões em perda (de um total de seis sessões já realizadas) desde que o regulador revelou a 29 de outubro que pode rever os contratos energéticos conhecidos como CMEC. De acordo com a proposta enviada ao Governo, o valor a pagar ao longo dos próximos dez anos implica um corte de 167,1 milhões de euros por ano face ao montante desembolsado entre 2007 e 2017.

Este corte das rendas está a pesar no sentimento dos investidores. A EDP fechou hoje com um valor de 10,99 mil milhões de euros, menos 654 milhões face ao valor de fecho do dia 29 de outubro. Isto corresponde a uma desvalorização 5,6%, atirando a ação para mínimos desde início de agosto.

Esta evolução negativa surge ainda num contexto de incerteza quanto ao futuro da liderança da EDP. O mandato de António Mexia termina no final do ano. E já há nomes em vista de acordo com a imprensa: Francisco Lacerda (CEO dos CTT) e Lacerda Machado já foram apontados para o cargo. Este último confidenciou ao ECO que “não tem perfil para ser CEO da EDP”.

Ainda que o mau desempenho deste peso-pesado tenha condicionado a negociação em Lisboa, o PSI-20 conseguiu fechar o dia em alta. O principal índice português somou 0,3% para 5.411,5 pontos.

Destaques positivos: o BCP somou 1,52% para 0,2479 euros; a Galp avançou 0,57% para 15,09 euros; e a melhor performance do dia foi para a Altri, que fechou em alta de 3,09% para 5,3 euros.

Lá por fora o dia também foi positivo. Apenas Milão caiu 0,2%. Os ganhos em Madrid, Frankfurt, Paris e Londres foram modestos: situaram-se entre os 0,1% e 0,5%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ERSE passa fatura de 650 milhões às ações da EDP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião