EDP já perdeu 600 milhões em bolsa desde o profit warning

A EDP está a derrapar na bolsa depois de ter emitido um profit warning por causa dos CMEC. Já há acionistas de referência a sair do capital da elétrica portuguesa.

A EDP está sob alta tensão nos mercados após ter emitido um profit warning na quinta-feira passada.Lídia Leão

A EDP EDP 3,75% está sob alta tensão nos mercados, isto depois de ter emitido um profit warning na quinta-feira por causa da devolução que terá de fazer ao Estado no valor de 285 milhões de euros devido a “alegadas sobrecompensações” nas rendas que lhe foram atribuídas. Feitas as contas, a elétrica perdeu 600 milhões de euros na bolsa só em duas sessões, o dobro do impacto que António Mexia estima que a decisão do Governo de rever as rendas vai ter nos lucros da empresa este ano.

As ações da EDP tombaram na sessão desta segunda-feira 1,83% para 3,12 euros, prolongando a queda registada na passada sexta-feira. Em termos acumulados, a elétrica cede mais 5% desde que comunicou o alerta no final da tarde de quinta-feira.

Este mau desempenho faz com que, em termos de capitalização bolsista, a elétrica tenha “emagrecido” 607 milhões de euros em apenas duas sessões, passando a cotar-se com um valor de mercado de 11,34 mil milhões de euros, abaixo do valor que é oferecido pela China Three Gorges na OPA.

EDP afunda em bolsa

A EDP reviu em baixa as estimativas de resultados de 800 milhões de euros para 500 milhões a 600 milhões, depois de ter sido notificada pelo Governo a propósito de uma “alegada sobrecompensação da EDP” no valor de 285 milhões de euros “quanto ao cálculo do coeficiente de disponibilidade verificado nas centrais que operavam em regime de CMEC. No comunicado enviado ao mercado, a EDP indicou que se encontra ainda em estudo a “possibilidade de serem exigidos à EDP até 72,9 milhões”.

António Mexia referiu-se a esta decisão do Governo como uma mudança das “regras do jogo” que foi promovida pelo Executivo e que está a provocar uma forte instabilidade no seio dos acionistas da EDP, como se refletiu na redução acentuada da exposição da Capital Group no capital da elétrica de quase 10% para apenas 3%.

“Temos um grande acionista, o segundo maior, a deixar a companhia. As pessoas gostam de estabilidade, gostam de que as regras do jogo sejam mantidas”, disse Mexia em Londres, citado pela agência Bloomberg. “As regras do jogo e os contratos são supostamente para cumprir. O que vemos hoje é basicamente a reação do mercado com base nas recentes medidas que afetam a estabilidade”, acrescentou.

Esta segunda-feira, a agência Moody’s veio dizer que a notícias das sobrecompensações é “negativa” para a EDP, mas não vai afetar o rating da empresa.

A EDP protagonizou um dos piores desempenhos no PSI-20. O principal índice português fechou a cair 0,86% para 5.313,17 pontos, com mais 11 cotadas a fechar no vermelho. A Mota-Engil caiu mais de 3% para 2,035 euros. Entre as grandes cotadas, a Galp, EDP Renováveis e Jerónimo Martins também fecharam abaixo da linha de água.

(Notícia atualizada às 17h03)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP já perdeu 600 milhões em bolsa desde o profit warning

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião