Há 47 pré-avisos de greve até ao final do ano

  • ECO
  • 10 Dezembro 2018

Greve atrás de greve. Está a subir de tom a contestação dos funcionários públicos que, até ao final do ano, colocaram mais 47 pré-aviso de paralisação.

Está a ser um final de ano marcado por muitas greves. E vêm aí mais. Até ao final do ano, há 47 pré-avisos de greves em 11 áreas da administração pública, desde a justiça aos hospitais, passando pela inspeção das pescas, revela o Público (acesso condicionado). Setor da saúde será o mais afetado.

Tendo em conta todos os pré-avisos, compilados pela Direção-Geral da Administração e do Emprego Público, até fim de dezembro não haverá um único dia sem paralisações.

Em termos de comparação, este número de pré-avisos mais do que triplica os registados em igual período do ano passado. Em 2017 houve apenas 15 greves, sendo que a grande diferença reside na agitação provocada pelos enfermeiros e professores.

O setor da saúde será o mais afetado pelas paralisações. Há greves dos trabalhadores dos hospitais EPE, enfermeiros, técnicos de diagnóstico e terapêutica.

Continuarão também as greves dos educadores de infância e ensino básico e secundário (à componente não lectiva), a que se junta a dos guardas prisionais (15 de dezembro a 6 de Janeiro), funcionários judiciais, bombeiros de 23 autarquias (desde Lisboa, Porto a Funchal ou Faro) e trabalhadores da Câmara de Oeiras. Isto além das greves setoriais dos registos e notariado.

O Público nota que há duas paralisações que podem vir a afetar as férias de Natal e Ano Novo dos portugueses. Um dos sindicatos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, o Sindicato dos Inspectores de Investigação, Fiscalização e Fronteiras, e duas empresas privadas
de segurança vão fazer greve no fim do mês, comprometendo as ações de fiscalização nos aeroportos nacionais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 47 pré-avisos de greve até ao final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião