FMI diz que é preciso poupar mais e pede incentivos fiscais

A entidade liderada por Christine Lagarde apela à criação de incentivos fiscais em Portugal com vista à promoção da poupança de empresas e famílias, com vista a garantir um "crescimento equilibrado".

O Fundo Monetário Internacional está preocupado com o baixo nível de poupança em Portugal. Considera que esta situação deve ser invertida devido aos riscos que acarreta para a economia, apelando assim à criação de incentivos fiscais com vista à promoção da poupança das empresas e famílias.

A recomendação surge no relatório da missão do artigo IV do Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgado nesta sexta-feira. A promoção de uma poupança privada mais elevada é necessária para um crescimento equilibrado“, começa por avisar a entidade liderada por Christine Lagarde, lembrando que “as poupanças das empresas e (especialmente) das famílias estão abaixo das médias correspondentes da área do Euro”.

O FMI explica que obter taxas de investimento mais elevadas sem criar novos desequilíbrios externos é um desafio que só pode ser cumprido através de “taxas de poupança interna mais fortes”.

Neste sentido, apela à tomada de medidas por parte das autoridades nacionais que promovam a poupança por duas vias. Uma das recomendações da entidade liderada por Christine Lagarde passa pela criação por parte das autoridades da regulação necessária à promoção dos regimes complementares para as pensões, “como exigido pela legislação existente”.

Outra das vias de promoção da poupança passa, segundo o FMI, por “explorar opções, incluindo incentivos fiscais“, que permitam encorajar o uso de esquemas complementares de poupança e de poupança individual para a reforma.

O alerta do FMI surge numa altura em que a taxa de poupança das famílias portuguesas está em mínimos históricos. Os dados mais recentes do Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que, em 2018, os portugueses pouparam apenas 4,6 euros por cada 100 de rendimento disponível, o valor mais baixo desde pelo menos 1999.

Foi nesse ano que INE começou a calcular estes dados, sendo que nessa ocasião os portugueses poupavam mais de 11 euros por cada 100 euros de rendimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI diz que é preciso poupar mais e pede incentivos fiscais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião