Goldman Sachs vê EDP a subir dividendos novamente. E a reforçar na EDP Renováveis

A EDP acabou de vender seis barragens no Douro por 2,2 mil milhões. Depois deste negócio, o Goldman Sachs vê elétrica portuguesa com margem para subir dividendos e a reforçar na EDP Renováveis.

Depois da venda das barragens no Douro no final do ano passado, por cerca de 2,2 mil milhões de euros, a EDP tem margem para voltar a aumentar os dividendos e para reforçar a sua posição na EDP Renováveis, dizem os analistas do Goldman Sachs em duas notas de investimento separadas a que o ECO teve acesso e onde recomendam a compra dos dois títulos.

Em relação à EDP EDP 1,07% , o banco de investimento americano atribui um preço alvo de 4,40 euros, abaixo da anterior avaliação de 4,50 euros. Ainda assim, apesar da redução do preço alvo, a EDP continua a apresentar um potencial de valorização de quase 15% face à cotação da passada sexta-feira.

Para a EDP Renováveis EDPR 0,00% , detida em cerca de 83% pela casa-mãe EDP, os analistas do Goldman melhoraram a avaliação dos títulos dos 11,00 euros para os 11,30 euros, antevendo ganhos na casa dos 10% nos próximos 12 meses.

As novas avaliações do Goldman Sachs para as duas elétricas portuguesas surgem depois de a EDP ter fechado a venda de seis barragens no Douro a um consórcio liderado pela Engie, num negócio avaliado em 2,2 mil milhões de euros e que se encontra à espera das autorizações regulatórias para que se concretize. A EDP fechou o ano de 2019 com uma valorização anual de 26,73%, enquanto a EDP Renováveis acumulou ganhos de 35% ao longo dos 12 meses. As subidas podem não ficar por aqui e, por isso, o banco recomenda comprar os dois títulos portugueses.

Segundo o banco, a EDP poderá agora voltar a aumentar os dividendos — atualmente distribui um dividendo de 0,19 euros por ação. “Estimamos que — em 2021 — o crescimento dos resultados permitam à EDP começar a aumentar o dividendo por ação outra vez; a aprovação da venda dos ativos hídricos poderá acelerar este cenário, dependendo da extensão do crescimento do capex. Atualmente estimamos que a EDP distribua cerca de 25% da sua capitalização bolsista durante 2020-2024”, escrevem os analistas do Goldman Sachs.

EDP perde em Lisboa

Também na sequência da alienação dos ativos hídricos no Norte de Portugal, o Goldman Sachs acredita que a reestruturação em curso do portefólio da EDP poderá levar a companhia liderada por António Mexia a reforçar a sua posição na EDP Renováveis, isto depois da Oferta Pública de Aquisição (OPA) falhada em 2017. Isto seria benéfico para os acionistas de ambas as elétricas.

“Acreditamos que a reestruturação do portefólio em curso na EDP poderá envolver a EDP Renováveis, tendo em conta o foco da administração na reestruturação do portefólio e o contexto da OPA de 2017 para os acionistas minoritários”, sublinha o banco americano na nota sobre a EDP Renováveis.

“Uma movimentação como esta seria benéfica para a EDP, dado que: 1) aumentaria a exposição da EDP às atividades eólicas e solares que estão em rápido crescimento; 2) aumentaria o valor patrimonial da ação criado pela adição de MW da EDP ao reduzir/eliminar o “vazamento minoritário”; e 3) melhoraria as métricas de cash flow/crédito da empresa”, referem os analistas do Goldman.

“Para os acionistas da EDP Renováveis, acreditamos que qualquer reestruturação que leve a uma exposição direta à EDP iria dar-lhes exposição a uma ação mais líquida e com taxa de retorno de dividendos mais elevada“, acrescentam.

De acordo com as projeções do banco, a EDP terá registado um EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) de 3.567,2 milhões de euros em 2019, um aumento de 7,5% face a 2018. Quanto à EDP Renováveis, o EBITDA da empresa liderada por Manso Neto terá subido 26% para os 1.641,8 milhões de euros.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Goldman Sachs vê EDP a subir dividendos novamente. E a reforçar na EDP Renováveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião