Com EDP em máximos, BlackRock e Elliot reforçam na elétrica

A BlackRock e o Elliot reforçaram as suas posições como terceiro e quinto maiores acionistas da empresa liderada por António Mexia. A BlackRock passou a ter mais de 5% do capital da EDP.

A BlackRock e o fundo Paul Elliot Singer, dois dos maiores acionistas da EDP EDP 0,00% , aumentaram no início deste ano as suas posições no capital da elétrica portuguesa, anunciaram à CMVM nesta quinta-feira. O reforço das suas posições acionistas acontece após o máximos de 11 anos atingidos pelas ações da EDP no final do ano passado.

A BlackRock passou a ter mais de 5% do capital da EDP, reforçando o estatuto de terceiro maior acionista da empresa liderada por António Mexia.

“No dia 8 de janeiro de 2020, a BlackRock comunicou à EDP, nos termos do artigo 20.º do Código dos Valores Mobiliários, que detém uma participação qualificada de 5,07% do capital social e dos direitos de voto da EDP, dos quais 5,01% associados a ações e os restantes 0,06% a instrumentos financeiros”, dá conta um comunicado da EDP enviado ao regulador do mercado de capitais português.

Segundo a elétrica, o “patamar de 5% associados a ações foi ultrapassado pela BlackRock no dia 7 de janeiro de 2020″. Anteriormente, a sociedade gestora detinha uma participação de 4,56% através de ações e 0,44% pela via de outros instrumentos financeiros.

Esta operação aconteceu um dia depois de o Paul Elliot Singer ter também reforçado a sua participação no capital da EDP. O fundo reforçou o estatuto de quinto maior acionista da empresa, passando a ter uma participação qualificada de 2,4518%, acima da anterior posição de 2,2925%.

Estes dois reforços acontecem depois de a EDP ter visto as suas ações registarem máximos de 11 anos — desde 2008 — no final do ano passado. Tal aconteceu depois de a elétrica liderada por António Mexia ter anunciado a venda de seis barragens no Douro por 2,2 mil milhões de euros.

Já esta semana, a 7 de janeiro, a Goldman Sachs emitiu uma nota em que diz que a EDP após este negócio tem condições para subir dividendos, bem como reforçar a sua participação na EDP Renováveis.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Com EDP em máximos, BlackRock e Elliot reforçam na elétrica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião