Caixa, BCP e Novo Banco acabam com plataforma do malparado este mês

A plataforma do malparado já se encontra em fase de liquidação. Será fechada até final do mês. Banca justifica encerramento com mudanças no contexto financeiro e regulatório.

Cerca de dois anos depois de ter sido criada, a plataforma para a gestão comum do crédito malparado da Caixa Geral de Depósitos (CGD), BCP e Novo Banco vai ser encerrada, encontrando-se já em processo de liquidação até ao final do mês.

“Após mais de dois anos de atividade, os membros da Plataforma de Negociação Integrada de Créditos Bancários (PNCB) decidiram pelo encerramento desta estrutura comum, que irá ser liquidada até 31 de julho de 2020”, adiantou a plataforma ao ECO, confirmando uma notícia que já tinha sido avançada pelo ECO Insider, newsletter do ECO exclusiva para assinantes. No próprio site da plataforma já surge a informação de que está em fase de liquidação.

Os bancos justificam esta decisão com a mudança “no contexto e pressupostos” em que a plataforma foi criada, em janeiro de 2018. “Evoluíram em sentido diferente do esperado e, designadamente, o contexto económico, financeiro e regulatório em que os bancos membros da PNCB operam sofreu alterações muito significativas desde a criação da PNCB“, explica a entidade.

Esta plataforma tem como membros fundadores três bancos: CGD, BCP e Novo Banco. Mais tarde, entrou como membro a Caixa Leasing e Factoring – Sociedade Financeira de Crédito.

"O contexto e pressupostos em que a PNCB foi criada evoluíram em sentido diferente do esperado e, designadamente, o contexto económico, financeiro e regulatório em que os bancos membros da PNCB operam sofreu alterações muito significativas desde a criação da PNCB. Assim e após mais de dois anos de atividade, os membros da PNCB decidiram pelo encerramento desta estrutura comum, que irá ser liquidada até 31/07/2020.”

Plataforma do malparado

A PNCB foi criada com o objetivo de fazer uma gestão comum dos processos de empréstimos problemáticos dos bancos, acima dos cinco milhões de euros, desenvolvendo atividades de negociação integrada de créditos e de garantias que permitissem otimizar a recuperação de créditos. Com uma equipa própria, tendo como presidente da direção executiva José Manuel Correia, atuou com uma carteira de créditos de cerca de 1,2 mil milhões de euros.

A plataforma era vista como um importante instrumento para a banca lidar com o problema do malparado, mas não terá produzido resultados suficientes. A própria Comissão Europeia, num dos últimos relatórios sobre Portugal, criticou a falta de resultados da PNCB, notando que, apesar dos esforços para reduzir o crédito em incumprimento, a banca portuguesa continua a ter um dos níveis mais elevados na região. Os últimos dados indicam que o rácio de malparado do setor bancário nacional se situava nos 6,1% no final de 2019, abaixo dos 17,5% registados no final de 2015.

A decisão de encerrar a plataforma surge num momento em que se avizinha uma nova onda de incumprimentos no crédito por causa da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.

Por uma questão de precaução, os bancos já provisionaram mais de 200 milhões de euros nas contas do primeiro trimestre para fazer face a um expectável aumento do malparado que, para já, se encontra “anestesiado” pelas moratórias no crédito concedidas a empresas e famílias.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Caixa, BCP e Novo Banco acabam com plataforma do malparado este mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião