Bombeiro morre no combate a incêndio na Lousã. MAI abre inquérito

  • Lusa
  • 12 Julho 2020

Bombeiro da corporação de Miranda do Corvo morreu este sábado durante o combate a um incêndio na Serra da Lousã.

Um bombeiro morreu este sábado durante o combate a um incêndio na Serra da Lousã, disse à agência Lusa o presidente da Câmara da Lousã, Luís Antunes. O autarca desconhece as circunstâncias em que ocorreu a morte do bombeiro nem sabe precisar de que corporação faz parte.

Outra fonte da autarquia deste concelho do distrito de Coimbra confirmou a morte de um bombeiro e que outro voluntário ficou ferido com queimaduras nas pernas durante o combate a um incêndio em Trevim, Lousã.

Quatro outros bombeiros sofreram ferimentos, dois dos quais ligeiros, adiantou Luís Antunes, que não tem informação sobre a gravidade dos ferimentos dos dois outros bombeiros.

O incêndio, numa encosta da Serra da Lousã, junto a um acesso ao Trevim, no concelho da Lousã (distrito de Coimbra), terá sido provocado pela trovoada que se fez sentir ao final da tarde na região. As chamas deflagraram numa zona muito acidentada de terreno, perto do baloiço de Trevim, um dos pontos turísticos do concelho.

A outra fonte da autarquia confirmou à Lusa que o incêndio foi antecedido por uma forte trovoada seca, acompanhada por vento forte, que dificultou o trabalho de mais de 200 bombeiros de diversas corporações dos distritos de Leiria e Coimbra.

A vítima mortal é dada como pertencendo aos Bombeiros Voluntários de Miranda do Corvo. O fogo já foi dominado.

Já este domingo, o Ministério da Administração Interna determinou a instauração de um inquérito às circunstâncias em que ocorreu a morte de um bombeiro no incêndio da Lousã, disse à agência Lusa fonte do gabinete do ministro Eduardo Cabrita.

Presidente lamenta “com profunda consternação” morte de bombeiro na Lousã

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou, “com profunda consternação”, a morte de um bombeiro da corporação de Miranda do Corvo, o chefe José Augusto, no combate a um incêndio na Lousã.

Numa mensagem publicada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa “lamenta, com profunda consternação, a morte de um bombeiro da corporação de Miranda do Corvo, que combatia, com a sua equipa, um incêndio na serra da Lousã”, distrito de Coimbra.

“Uma triste notícia e que representa uma perda profunda para quem tanto dá ao país”, lê-se na mensagem do Presidente, que já enviou as suas condolências à família e ao corpo de bombeiros de Miranda do Corvo.

Marcelo Rebelo de Sousa revela também que já falou com os presidentes das câmaras da Lousã e de Miranda do Corvo, tendo “igualmente falado com o responsável dos bombeiros para conhecer o ponto de situação no terreno e se inteirar do estado de saúde dos bombeiros” feridos, “a quem deseja rápidas melhoras”.

Ministro Eduardo Cabrita expressa pesar pela morte de bombeiro na Lousã

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, também expressou pesar pela morte do bombeiro de Miranda de Corvo que comandava a equipa que combatia um incêndio que deflagrou durante a tarde na Serra da Lousã.

“Vivemos hoje mais um momento trágico, com a morte do chefe José Augusto, do corpo de bombeiros de Miranda do Corvo”, lamentou Eduardo Cabrita, que, em nome do Governo, endereçou “sentidos pêsames à família, amigos e à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Miranda do Corvo”.

O ministro fez ainda votos de “plena recuperação” para os três bombeiros que ficaram feridos durante a operação na serra da Lousã, junto ao baloiço de Trevim numa zona de terreno acidentado.

“Importa, neste momento, realçar a forma empenhada, generosa e profissional com que todos os dias milhares de bombeiros integram este esforço nacional da defesa da floresta contra incêndios”, reforçou o governante.

(Notícia atualizada às 12h36 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bombeiro morre no combate a incêndio na Lousã. MAI abre inquérito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião