Lucro da EDP cai 18% no primeiro trimestre

A empresa liderada por António Mexia, que lançou uma OPA à EDP Renováveis, registou lucros de 215 milhões de euros no primeiro trimestre. Uma quebra de 18% face ao valor registado no ano passado.

O lucro da EDP recuou 18% para 215 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano. Apesar da descida, a energética portuguesa conseguiu surpreender o mercado pela positiva. Foi um desempenho que ficou acima das estimativas dos analistas sondados pela Bloomberg, que apontavam para um lucro a rondar os 186,4 milhões de euros.

A empresa justifica a quebra nos resultados com “o efeito de um contexto operacional muito mais severo, marcado por uma baixa produção hídrica e de preços spot muito elevados, em particular quando comparado com um primeiro trimestre de 2016 muito chuvoso e com preços muito baixos”, segundo o comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Nos primeiros três meses do ano, a dívida líquida do grupo aumentou 1% para 16.047 milhões de euros, um valor explicado pelo investimento líquido em expansão, pelos pagamentos a fornecedores e por alterações no perímetro de consolidação. A EDP apresenta agora um nível de endividamento de 4,4 vezes o seu EBITDA — lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações –, contra o objetivo de 3 vezes até 2020.

O EBITDA também sofreu uma quebra de 11%, para 1.011 milhões de euros, penalizado pela diminuição de 41% da produção e comercialização na Península Ibérica. Por outro lado, a condicionar os resultados operacionais da elétrica esteve o aumento de 23% dos custos operacionais líquidos, para 512 milhões de euros.

A EDP tem em cima da mesa uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a EDP Renováveis, oferecendo 6,75 euros por cada ação que ainda não tem na sua subsidiária de energias limpas. Vai financiar esta operação com os proveitos registados com a venda da Naturgas em Espanha, alienada em abril passado por cerca de 2.500 milhões de euros.

A empresa liderada por Manso Neto viu os lucros recuarem 4%, para 68 milhões de euros nos três primeiros meses do ano.

As ações da EDP fecharam esta quarta-feira a valorizar 1,49% para 3,125 euros.

EDP avançou antes de prestar contas

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da EDP cai 18% no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião