FPF rasga memorando que previa acesso a meios da RTP. Governo questiona Gonçalo Reis

  • ECO e Lusa
  • 19 Março 2019

A Federação Portuguesa de Futebol decidiu rasgar um acordo assinado em janeiro com a RTP, que previa acesso a recursos humanos da estação pública. Governo exige esclarecimentos a Gonçalo Reis.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) decidiu rasgar um memorando assinado em janeiro com a RTP, que previa a partilha de direitos, meios e recursos humanos e era contestado pela comissão de trabalhadores e pelo Governo. A notícia foi avançada pela Meios e Publicidade e confirmada pelo ECO.

Segundo a revista, a FPF entendeu que os objetivos e o espírito do memorando assinado entre as duas instituições não foi compreendido e decidiu, por isso, cessar os seus efeitos. “A FPF tem enorme respeito pela RTP e por todos os seus trabalhadores. A FPF continuará a estar disponível para analisar as oportunidades de cooperação com a RTP caso a caso“, disse fonte oficial da federação, citada pela revista.

O tema foi trazido ao debate quinzenal no Parlamento pela voz de Catarina Martins, do BE. Segundo a líder bloquista, a RTP “comprometeu-se a ceder arquivo, instalações e até pessoal à FPF” e disse que “o que está a acontecer é que a RTP está a criar um canal concorrente a si própria, com os seus meios”.

Isto porque é público que a FPF está também a criar um canal televisivo de desporto, Canal 11, do qual faz parte o ex-jornalista da RTP, Carlos Daniel. “É uma medida gravíssima que lesa o interesse da RTP”, garantiu Catarina Martins, no debate desta terça-feira.

Na sequência das questões da deputada, António Costa, primeiro-ministro, revelou que o Governo já pediu esclarecimentos à administração da estação pública, liderada por Gonçalo Reis. Assumindo não ter tido conhecimento prévio desta colaboração, o chefe do Governo disse que “o senhor ministro das Finanças [Mário Centeno] e a senhora ministra da Cultura [Graça Fonseca] dirigiram uma carta ao conselho de administração da RTP, exigindo cinco esclarecimentos fundamentais”.

Em primeiro lugar, de acordo com o primeiro-ministro, o Governo quer saber “como é que esse memorando não estava previsto no Plano de Atividades e Orçamento, que está sujeito a aprovação”. “Em segundo lugar se considera que esse protocolo se insere no conceito de gestão corrente que cabe ao Conselho de Administração”, acrescentou ainda.

Esclarecer em que termos é que a Federação Portuguesa de Futebol “passa a utilizar instalações do Centro de Produção do Norte que estão afetos exclusivamente ao serviço público” e “como é que a RTP se propõe ceder trabalhadores seus do Centro de Produção do Norte” à federação, são mais duas das perguntas que o Governo quer ver respondidas.

“E em quinto lugar, uma questão absolutamente essencial, é como é que se explica que a RTP participe numa iniciativa que é concorrencial da sua atividade e também concorrencial relativamente a outros canais de televisão, relativamente aos quais a RTP tem também especiais responsabilidades de manter uma concorrência leal e não afetar a sua atividade”, sublinhou Costa, em tom crítico.

Para o chefe do executivo, foi sobre estas “cinco questões fundamentais” que o Governo solicitou à administração da RTP “pronto esclarecimento”. “E acho que é necessário aguardar, avaliar e decidir em função da resposta que tivermos”, prometeu.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h24)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FPF rasga memorando que previa acesso a meios da RTP. Governo questiona Gonçalo Reis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião