Vestuário só volta a arrancar em janeiro. Perde 290 milhões por mês

"Vestuário só arranca em janeiro e com muita sorte", estima o presidente da Anivec. Face à quebra de encomendas, empresas do setor arriscam-se a perder 290 milhões por mês em exportações.

O vestuário está a ser um dos setores mais afetados pelo Covid-19 e adivinham-se tempos difíceis. Fábricas fechadas em toda a Europa, produções paradas, falta de matérias-primas, isolamento social e grande parte da população em teletrabalho. “O cenário é terrível e o arranque vai ser muito complicado. Se as empresas do vestuário começarem a erguer-se em janeiro do próximo ano já temos muita sorte”, prevê César Araújo, presidente da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção (Anivec).

Com esta pandemia, as empresas do vestuário arriscam-se a perder em exportações 290 milhões de euros por mês. Para o presidente, o principal motivo é “a quebra de encomendas. Se partirmos do princípio que faturamos 3,2 mil milhões por ano, vamos ter perdas entre 290 milhões a 320 milhões mensalmente, a partir de abril”, explica ao ECO, César Araújo.

O presidente da Anivec afirma ainda que neste momento “quase 90% das empresas têm as encomendas canceladas e vão entrar em colapso. No vestuário, seguramente, as quebras vão chegar aos 90%”, destaca.

Empresas do vestuário perdem 290 milhões por mês face à quebra de encomendas.

César Araújo

Presidente da Anivec

Perante o cenário, César Araújo considera que “a maioria das empresas não têm outra alternativa a não ser o lay-off e, mesmo assim, podem entrar em colapso porque não têm dinheiro para pagar os 30% do salários”. Muitas empresas vão fechar porque os empresários não se querem endividar para pagar salários”, assegura o presidente da Associação Nacional das Indústrias de Vestuário e Confeção.

César Araújo acrescenta que para piorar ainda mais a situação, têm “exemplos de clientes a pedir descontos de 50% em produtos que estão a ser produzidos”.

E quando tudo isto passar?

O presidente da Anivec tem esperança que tudo comece a voltar à normalidade em janeiro do próximo ano, mas alerta que vão existir outros problemas. “Depois disto tudo as empresas não sabem se os clientes vão estar vivos para fazerem encomendas ou se entraram em insolvência durante esta crise. É tudo uma incógnita”, refere.

Alerta ainda para a situação de Espanha que é um dos países mais afetados pelo Covid-19 e que isso terá sérias consequências para a economia portuguesa. “Em Espanha, a indústria do vestuário fechou portas e não podemos esquecer-nos que é o nosso maior cliente”, conclui César Araújo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vestuário só volta a arrancar em janeiro. Perde 290 milhões por mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião