Acionistas da Oi garantem já metade do aumento de capital. Operadora encaixa 472 milhões de euros

Metade do aumento de capital da Oi já está garantido pelos acionistas, num total de 472 milhões de euros. Pharol já terá injetado os 25 milhões cedidos pela empresa no acordo que resultou em tréguas.

Os acionistas da Oi com direitos de preferência garantiram já cerca de metade do aumento de capital da operadora brasileira, confirmou a empresa num comunicado enviado à CMVM. Desta forma, a Oi já garantiu um encaixe de 2.011 milhões de reais (quase 472 milhões de euros) dos 4.000 milhões de reais (938,6 milhões de euros) que pretende obter com a operação.

As novas ações foram subscritas a um preço de 1,24 reais por ação, um desconto de 13% face à cotação de 1,43 reais a que as ações da operadora estão a transacionar na bolsa brasileira esta segunda-feira.

Assim, por esta altura, a portuguesa Pharol PHR 1,86% já terá injetado pelo menos 25 milhões de euros na Oi ao abrigo desta operação de aumento de capital. Este montante foi transferido para a Pharol pela própria Oi ao abrigo de um acordo para pôr fim aos litígios entre as duas empresas, sob a condição de ter de ser usado para subscrição deste aumento de capital.

Além desta parte do aumento de capital, a Oi espera que as novas ações ordinárias que não sejam subscritas acabem por ser adquiridas por tomada firme dos “investidores e administradoras de fundos de investimento”, como está previsto num Contrato de Compromisso assinado a 19 de dezembro de 2017.

Este é mais um passo no plano de recuperação judicial daquela que é a maior operadora do Brasil, e que pretende evitar a falência da companhia.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas da Oi garantem já metade do aumento de capital. Operadora encaixa 472 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião