Surto de coronavírus pressiona Wall Street

Pela quinta sessão consecutiva, o S&P 500 fechou em terreno negativo, face ao surto de coronavírus. Os investidores estão preocupados com as consequências dessa epidemia.

O surto de coronavírus continua a preocupar os investidores e a pressionar os mercados. Na sessão desta quarta-feira, as bolsas norte-americanas fecharam em “terreno” negativo, depois das autoridades norte-americanas terem anunciado que estão a analisar os casos de 83 pessoas que regressaram da China.

Depois de ter arrancado o dia no verde, o S&P 500 fechou a cair 0,27% para 3.119,64 pontos, marcando a quinta sessão consecutiva de perdas. Também o Dow Jones desvalorizou 0,33% para 26.990,94 pontos. A contrariar, o Nasdaq avançou 0,23% para 8985,84 pontos.

Os mercados norte-americanos mantêm, assim, a tendência de queda provocada pelos receios de que a epidemia de coronavírus esteja perto de se tornar uma pandemia, o que teria consequências sérias não só na saúde pública, mas também na economia mundial.

A agravar a situação estão os 83 casos suspeitos que as autoridades nova-iorquinas anunciaram estar a acompanhar. Em causa estão pessoas que podem ter estado em contacto com o coronavírus, por terem estado recentemente na China. Ainda esta quarta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, falará aos jornalistas sobre esta matéria, estando os investidores expectantes.

“Precisamos de mais informação antes dos mercados registarem uma maior correção”, explica o analista Jason Draho, citado pela Reuters. “Os mercados estarão muito inconstantes até que haja mais confiança no esmorecimento do vírus e de que não está em causa uma pandemia global”, frisa o mesmo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Surto de coronavírus pressiona Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião