EDP: Fundo do JPMorgan oferece 3.000 milhões pela Naturgas

António Mexia disse no início do mês que não havia nada em relação à Naturgas, mas em Espanha dão conta de uma oferta de um fundo do JPMorgan avaliada em 3.000 milhões de euros.

António Mexia afirmou ainda no início do mês que “não havia nada em relação à Naturgas”, mas o jornal económico Expansión adianta esta quarta-feira que a EDP EDP 0,00% tem em mãos uma proposta concreta do JPMorgan Infrastructure, que lidera um consórcio de investidores, avaliada em 3.000 milhões de euros pela distribuidora de gás espanhola.

Entre os investidores que integram o consórcio deste fundo do JPMorgan estão, entre outros, o fundo de pensões suíço Swiss Life, noticia ainda o mesmo jornal, que no mês passado indicava que a EDP estava a avançar para a venda da espanhola Naturgas, a segunda maior distribuidora de gás em Espanha, em paralelo com portuguesa Portgas.

De resto, a EDP até tinha mandatado os bancos para avaliar a alienação da operação de gás espanhola, dizia a Bloomberg em janeiro. Para os responsáveis da EDP, o negócio estava dependente das condições do mercado, dado que o Goldman Sachs tinha em curso a venda da Redexis e o resultado final desta operação iria ajudar a EDP a decidir se vendia ou não a Naturgas.

Em todo o caso, aquando da apresentação de resultados, António Mexia rejeitou as notícias sobre esta eventual operação, dizendo que “não há nada no que diz respeito à Naturgas”. “A Portgas foi classificada como ativo para venda. Sobre a Naturgas não há nada”, frisou Mexia no dia 2 de março, depois de a EDP ter apresentado uma subida de 5% dos lucros para 961 milhões de euros em 2016.

A concretizar-se a venda da Naturgas por 3.000 milhões de euros, o valor do negócio supera a avaliação que o Haitong atribiu à empresa de gás espanhola, à volta dos 2.100 milhões de euros. Nesse sentido, os analistas daquele banco de investimento consideram o negócio “positivo” para a elétrica liderada por António Mexia.

“É verdade que a Naturgas apresenta números em relação ao Opex e Capex melhores do que a Redexis e a Gas Natural (…) mas ficaríamos surpreendidos se isso é suficiente para justificar um prémio tão elevado (mesmo que os investidores de private equity possam estar a considerar custos de capital mais baixos pela Naturgas do que estimamos”, explica o Haitong.

As ações da EDP avançam 1,17% para 2,933 euros.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EDP: Fundo do JPMorgan oferece 3.000 milhões pela Naturgas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião