Mota-Engil e Vinci pagam 23,3 milhões para tirar participação da Lusoponte aos chineses

Afinal, a participação de 7,5% que a Teixeira Duarte tinha na Lusoponte não foi parar às mãos da China Construction. Negócio rende 23 milhões de euros à construtora portuguesa.

Afinal, a participação de 7,5% que a Teixeira Duarte tinha na Lusoponte não foi parar às mãos da China Construction, como tinha sido anunciado inicialmente. A construtora portuguesa revelou esta segunda-feira que vendeu essa posição aos franceses da Vinci Highways e à Lineas – Concessões de Transportes da Mota-Engil, uma vez que estes exerceram o direito de preferência num negócio avaliado em 23,3 milhões de euros.

A Teixeira Duarte tinha celebrado um contrato promessa para a venda da sua participação na Lusoponte, que é a concessionária das pontes Vasco da Gama e 25 de Abril, ao investidor chinês no dia 21 de junho. Mas foi exercido o direito de preferência pelos acionistas da Lusoponte Vinci Highways e Lineas – Concessões de Transportes, com os quais a Teixeira Duarte assinou dois contratos no passado dia 23 de agosto, adianta a construtora em comunicado divulgado ao mercado.

Em concreto, a Vinci Highways vai pagar 11,53 milhões por 185,6 mil ações da Lusoponte. Já a Lineas – Concessões de Transportes pagará 11,77 milhões de euros por cerca de 189,4 mil ações da concessionária das duas pontes da capital.

“Estas alienações estão ainda sujeitas a que sejam concretizados outros procedimentos, designadamente pela Lusoponte, em particular junto das entidades financiadoras”, explica a Teixeira Duarte. “Casos os contratos se concretizem, estima-se que estes terão um impacto nos resultados contabilísticos do grupo de cerca de 18 milhões”, refere ainda.

"Estas alienações estão ainda sujeitas a que sejam concretizados outros procedimentos, designadamente pela Lusoponte, em particular junto das entidades financiadoras. Casos os contratos se concretizem, estima-se que estes terão um impacto nos resultados contabilísticos do grupo de cerca de 18 milhões.”

Teixeira Duarte

CMVM

A construtora vendeu recentemente a participação que detinha no Lagoas Park, em Oeiras, a uma subsidiária do fundo europeu de private equity Kildare, por 375 milhões de euros.

Estas alienações fazem parte do acordo que a Teixeira Duarte assinou com o BCP, a Caixa Geral de Depósitos e o Novo Banco para “a redução significativa do passivo bancário” através de um programa de venda de ativos avaliados em 500 milhões de euros.

A construtora fechou o primeiro trimestre do ano com prejuízos de dois milhões de euros, reportando um endividamento líquido de 853 milhões de euros. Volta a apresentar contas do semestre no final da semana.

(Notícia atualizada às 18h20. Corrigida com os valores retificados pela Teixeira Duarte à CMVM às 22h53)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mota-Engil e Vinci pagam 23,3 milhões para tirar participação da Lusoponte aos chineses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião