Microsoft revoluciona Bing com Inteligência Artificial

  • ECO
  • 14 Dezembro 2017

Pesquisa inteligente, pesquisa conversacional e pesquisa inteligente por imagens. São essas as novas funcionalidades do Bing. Motor de busca da Microsoft tem também novo parceiro.

O casamento entra a Inteligência Artificial (AI) e o seu motor de busca é a nova aposta da americana Microsoft. A empresa de Bill Gates acaba de anunciar que irá equipar o Bing com ferramentas nas áreas da pesquisa inteligente, pesquisa inteligente por imagens e pesquisa conversacional. Deste modo, a gigante pretende marcar uma posição forte neste setor de investigação tecnológica e melhorar as capacidades do motor em causa, avançou a Bloomberg.

Bing quer dar respostas úteis às pesquisas conversacionais.Pixabay

“A Inteligência Artificial melhorou bastante a sua capacidade de encontrar informação, mas dar sentido a essa informação ainda é um desafio real“, explicou, no evento de lançamento das novas funcionalidades, em São Francisco, Kristina Behr, gestora da equipa de AI da Microsoft.

A nível conversacional e de pesquisa inteligente, o Bing quer demarcar-se do Google ao oferecer aos internautas respostas que incluam diversos pontos de vista. De acordo com a The Verge, os resultados de uma qualquer busca vão passar a compreender múltiplas fontes verificadas e perspetivas sobre uma mesma questão. Além disso, não serão mostrados notícias falsas, nem sites de aparência não confiável. “A pesquisa conversacional usa mecanismos de aprendizagem automática em larga escala pelo que só se esperam melhorias ao longo do tempo”, reforçou ainda Behr.

Pesquisa com base num excerto de uma imagem vai passar a ser possível.TechCrunch

Já a terceira inovação anunciada baseia-se no reconhecimento de objetos — conhecido como leitura automática — e vai permitir que o internauta selecione um pedaço de uma imagem e pesquise a partir desse excerto. Em cada fotografia, haverá uma ferramenta de “pesquisa na imagem”, que percebe o que está a ser alvo de procura e encontra produtos similares. Por exemplo, se estiver à procura de um determinado colar figurado numa fotografia, poderá pesquisar a partir de uma simples parcela da imagem.

De acordo com a Microsoft, um terço das procuras feitas em computadores, nos Estados Unidos, acontecem com recurso ao Bing.

Um novo parceiro

À parte das novas funcionalidades baseadas em Inteligência Artificial, o Bing anunciou também uma nova parceria. O motor de busca da Microsoft ligou-se ao Reddit para tornar mais visível o conteúdo do fórum, nos seus resultados.

Resultados incluirão respostas mais populares no Reddit.TechCrunch

“Encaramos isto como uma nova janela para ajudar as pessoas a descobrir novas comunidades”, enfatizou, no mesmo evento, o cofundador do Reddit, Alexis Ohanian, segundo o TechCrunch. O conteúdo do fórum será, assim, integrado diretamente nas respostas dadas às pesquisas, com as intervenções mais populares a aparecerem como primeira conclusão face a certas perguntas colocadas no motor. Mais, o Bing usará a informação altamente detalhada e regionalizada do Reddit para dar resposta com nuances mais pronunciadas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Microsoft revoluciona Bing com Inteligência Artificial

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião