Bruxelas baixa exigências para Portugal cumprir regras orçamentais. Centeno anuncia novo brilharete para 2019

Comissão Europeia ajuda e Portugal dá mais um passo. O Governo vai cumprir um ano antes do previsto a regra do Objetivo de Médio Prazo - uma das normas mais duras de Bruxelas.

A Comissão Europeia vai baixar as exigências para Portugal cumprir as regras orçamentais a que está obrigado pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento. Bruxelas está a preparar uma revisão em baixa do Objetivo de Médio Prazo (OMP) para o saldo estrutural – o indicador orçamental que permite medir de uma forma mais fiável o esforço de consolidação orçamental de um país. Centeno anuncia que Portugal cumpre já em 2019 uma das regras europeias mais exigente.

Atualmente, Portugal está obrigado a caminhar para um saldo estrutural positivo equivalente a 0,25% do PIB. Este é o OMP para Portugal que está a ser objeto de revisão. O ministro das Finanças, Mário Centeno, disse esta quarta-feira no Parlamento, que “o OMP vai ser revisto em baixa de 0,25% para 0%”.

Esta revisão resulta de “vários fenómenos”, disse ainda o governante, explicando que resulta do “comportamento da dívida pública que está a baixar, do crescimento económico e dos saldos primários positivos”. “Estes são os fatores que ajudam à redução do OMP”, disse, acrescentando que depois existem as pressões relacionadas com o envelhecimento da população. “A avaliação que agora é feita é a da redução do OMP”, repetiu o também presidente do Eurogrupo.

Mário Centeno acrescentou que Portugal “vai cumprir os OMP no âmbito do tratado no exercício orçamental de 2019”. O cumprimento desta regra estava previsto para 2020 no Programa de Estabilidade que Portugal enviou para a Comissão em abril do ano passado, altura em que o Governo esperava um saldo estrutural positivo de 0,3% do PIB.

Com a folga que Bruxelas se prepara para dar, Portugal antecipa em um ano o cumprimento de uma das regras mais exigentes da Comissão Europeia.

Isto significa que na atualização de previsões que vai fazer agora em abril, quando enviar para Bruxelas um novo Programa de Estabilidade, o Governo deverá melhorar o saldo estrutural dos -0,3% inscritos no Orçamento do Estado para 2019 para, pelo menos, 0%.

O Pacto de Estabilidade e Crescimento obriga Portugal a cumprir um conjunto de regras orçamentais. São elas:

  1. Baixar o défice nominal e mantê-lo abaixo da margem de segurança fixada em 3% do PIB. Portugal já cumpre esta regra.
  2. Corrigir o saldo estrutural (medido pelo saldo nominal expurgadas as medidas one-off e os efeitos do ciclo económico) em, pelo menos, 0,6 pontos percentuais ao ano. Portugal não cumpre esta regra.
  3. Atingir o OMP através da redução do saldo estrutural medido em percentagem do PIB potencial. Este OMP está atualmente em 0,25% do PIB potencial e será revisto em baixa para um saldo nulo, tornando-se mais fácil chegar lá.
  4. Redução anual de 1/20 do excesso de 60% do rácio da dívida pública a que Portugal ficará obrigado a partir de 2020. Para já Portugal ainda não tem de respeitar esta regra de disciplina orçamental.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas baixa exigências para Portugal cumprir regras orçamentais. Centeno anuncia novo brilharete para 2019

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião