Portugal com recorde de 218 mortes em 24 horas. Há mais 10.455 infetados

Foram identificados 10.455 novos casos de infeção pelo novo coronavírus em Portugal nas últimas 24 horas. O país passou pela 1.ª vez a barreira dos 200 óbitos num só dia, com 218 mortes registadas.

Portugal registou 10.455 novos casos de infeção por Covid-19, elevando para 566.958 o número de infetados desde o início da pandemia. Trata-se de uma subida diária de 1,88%. Já o número de mortes subiu para 9.246, após 218 óbitos terem sido contabilizados nas últimas 24 horas, um novo máximo, segundo a última atualização da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Neste contexto, Portugal passa pela primeira vez a barreira das 200 mortes, num só dia. Isto significa que só nas últimas 24 horas foram registados mais óbitos do que durante os primeiros dois meses de pandemia, já que entre 2 de março — dia em que a Covid-19 foi identificada no país –, e 2 de abril foram registados 209 óbitos no total. Destes 218 óbitos referidos, 88 foram na região de Lisboa e Vale do Tejo, 55 na região Centro, 51 no Norte, 17 no Alentejo, cinco no Algarve e dois na Madeira.

Há agora 135.841 pessoas (casos ativos) a lutarem contra a doença, menos 45 face ao balanço anterior. A maioria das novas infeções foi registada em Lisboa e Vale do Tejo. Dos 10.455 novos casos confirmados, 5.012 localizam-se nesta região (cerca de 48%), seguindo-se a região Norte, que contabilizou 2.970 novas infeções (28,4%).

Boletim epidemiológico de 19 de janeiro:

Ainda assim, o Norte continua a ser a região com mais casos até ao momento (261.287 casos de infeção e 3.811 mortes), seguindo-se de Lisboa e Vale do Tejo (191.718 casos e 3.322 mortes), do Centro (76.173 casos e 1.495 mortes), do Alentejo (18.989 casos e 431 mortes) e do Algarve (12.897 casos e 127 mortes). Nas ilhas, os Açores registam 3.050 casos e 22 mortos, enquanto a Madeira tem 2.844 pessoas infetadas e 28 vítimas mortais.

Quanto à caracterização clínica, a maioria dos infetados está a recuperar em casa. Ainda assim, os números revelam ainda a pressão que está a ser exercida nos hospitais, que estão perto do limite. Um dia depois de Portugal ter ultrapassado a barreira dos 5.000 internados, os dados continuam a subir. Há agora agora 5.291 pessoas internadas (mais 126 face ao dia anterior), dos quais 670 em unidades de cuidados intensivos (mais 6). Há ainda 174.355 pessoas sob vigilância das autoridades de saúde, ou seja, mais 8.120 do que no balanço de segunda-feira.

Os dados revelados pelas autoridades de saúde dão ainda conta de mais 10.282 recuperados, um número bastante superior relativamente ao último balanço. No total, mais de 421 mil pessoas recuperaram da doença.

Na sequência do aumento de novos casos e e mortes por Covid-19 dos últimos dias, o primeiro-ministro avisou na segunda-feira que Portugal está a viver “o momento mais grave da pandemia”, pedindo, por isso, para que os portugueses cumpram as regras ficando em casa. António Costa explicou que os dados da mobilidade mostram que houve uma redução de 30% da circulação em Portugal desde que entrou em vigor o novo estado de emergência, na sexta-feira, ou seja, uma fraca adesão comparativamente com os números verificados no confinamento de março/abril. Nesse sentido, o Governo reviu as medidas de controlo da pandemia, apertando as restrições, especialmente para o comércio.

(Notícia atualizada às 15h22)

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Portugal com recorde de 218 mortes em 24 horas. Há mais 10.455 infetados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião